XVI ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS


 

Vivemos num mundo cada vez mais globalizado em que é indispensável compreender e apreciar a ciência como elemento da cultura contemporânea, para que os cidadãos possam dar sentido a problemáticas atuais e participar criticamente em processos de tomada de decisão. As ligações da ciência à técnica, à sociedade, a questões éticas, a valores sociais e a estruturas de comunicação e de poder estreitam-se cada vez mais. Na nossa sociedade atual está a emergir uma epistemologia marcada pela primazia do que Leff (2002) considerou como o “princípio da responsabilidade solidária”, que é importante acarinhar e dar visibilidade.

Os cidadãos só podem compreender e discutir assuntos sociais e técnicos que influenciam e são influenciados pela produção do conhecimento tecnocientífico se forem habituados a um discurso crítico sobre a ciência e a sua natureza. Todos temos uma grande responsabilidade nesse caminho.

Para que seja possível fomentar uma “ciência-cidadã”, para utilizar o conceito de Irwin (1998), teremos de trabalhar para a compreensão da ideia, que queremos também globalizada, de Ciência como Cultura. E para isso há que valorizar todos os espaços de educação, formais e não-formais, e incentivar a partilha entre investigadores, professores, cientistas e educadores porque só desse modo a sintonia de esforços terá sucesso.

O XVI ENEC persegue um caminho de valorização dessa escola global que desperta para o novo, o não desbravado, e estimula a curiosidade e a imaginação. A Educação em Ciências inscreve-se nesse contexto, procura no olhar de cada criança a interrogação, o mistério e abre caminhos de compreensão. A Educação em Ciências não pode ser apenas um momento na vida das pessoas e das sociedades, confinada a espaços escolares bem demarcados. Tem de passar a ser um desafio permanente com implicações profundas na aprendizagem ao longo da vida e nos mais diversos lugares. A responsabilidade de todos é cada vez maior, começando na tomada de consciência do papel, conhecimento e intervenção de cada um de nós.

Que o XVI ENEC seja um marco na construção da ideia de que a ciência é cultura, ajudando a consolidar caminhos de cidadania. Com professores, investigadores, cientistas e estudantes.

 

Cecília Galvão

Presidente da Comissão Organizadora

 

 


Irwin, A. (1998). Ciência cidadã. Um estudo das pessoas - Especialização e desenvolvimento sustentável. (M. Fátima St. Aubyn, trad.). Lisboa: Instituto Piaget.

Leff, E. (2002). Epistemologia ambiental (2ª Ed.). São Paulo: Cortez.